Por que um blog sobre jornalismo de moda?

Odeio clichês, mas é impossível começar este texto sem pelo menos um.

Descobri que seria jornalista logo cedo, aos oito anos, para ser mais certeira. Eu escrevia muito nessa idade, tanto quanto desenhava roupas e as costurava em minhas bonecas Susi (desculpem fãs da Barbie, eu sempre preferi a Susi).

Se eu não estava com um lápis e um caderno na mão escrevendo, estava com um lápis e um caderno na mão desenhando, ou estava com uma linha, uma agulha, uma boneca e retalhos.

Quando cheguei aos 10 anos decidi que seria escritora, que trabalharia em um jornal ou revista escrevendo sobre o que eu mais amava – e ainda amo – moda, filmes, livros, música. Eu ainda estava no Rio Grande do Sul nessa época e já passava a ser conhecida como a “escritora”, a “jornalista” da escola. Se não me engano, alguns poemas meus foram lidos em alguns festivais do colégio. E sempre que tínhamos que apresentar um trabalho, eu queria que fosse como um telejornal, uma revista, algo assim.

Mesmo cedo eu sabia o que eu queria. Eu definitivamente sabia.

Até que chegou a época do vestibular e eu já estava em Santa Catarina. Fiz a inscrição para o curso de Moda, da Udesc e para o de Jornalismo, na UFSC. Não passei em nenhum deles, mas ganhei uma bolsa para estudar Jornalismo, no Centro Universitário Estácio de Sá.

Apesar de estudar jornalismo (profissão que eu tanto amo), meu coração sempre dava um jeito de me puxar para a moda. Comecei a faculdade aos 16 anos e já escrevia uma coluna para uma revista adolescente bem conhecida na região. Eles começaram a gostar de meu trabalho e, quando vi, estava escrevendo, além da coluna, matérias sobre comportamento e, principalmente, matérias sobre moda.

Um ano depois eu havia sido contratada pelo Jornal Hora de Santa Catarina, do Grupo RBS. Comecei como Atendente ao Leitor, cuidava das sugestões recebidas pelos leitores e também tive a oportunidade de participar de um projeto muito legal, que rendeu o Segundo Lugar no Prêmio de Jornalismo e Entretenimento RBS de 2011. Criei, em conjunto com a equipe jornalística e colegas jovens que trabalhavam no jornal, o blog Fica a Dica e ali meu amor pela moda só cresceu.

Fui convidada para participar da cobertura do Donna Fashion DC, um evento de moda promovido pelo Diário Catarinense e, depois, fui contratada como Assistente de Conteúdo do jornal.

Atuei na editoria Variedades e, enfim, consegui escrever sobre filmes, livros, shows, teatro e, claro, MODA – já que minha gestora na época era editora da Revista Donna. Por causa da Donna participei de outros eventos de moda, escrevi matérias para o portal, acompanhei editoriais e afins.

A vida me levou para outros caminhos, há três anos atuo como Social Media em uma agência digital – a Tiki. Sou responsável pela gestão e criação de conteúdo das redes sociais da Locaweb e aprendi a amar a tecnologia e o digital.

Mas mesmo não trabalhando mais com moda, meu coração ainda bate forte por ela. Por isso criei o Jornalismo de Moda, para poder compartilhar um pouco de minha experiência, aprender mais e escrever sobre esse assunto que faz parte de mim e que me faz tão bem.

Sejam bem-vindos! 🙂

Miranda Priestly
Jhenifer Pollet

Continue Reading